Canelada

Home | « Todos os posts de Caneladas Históricas

SELEÇÕES IMORTAIS DAS COPAS – O Brasil de 82 #BRA

por
11/06/14

“A MAIS INJUSTIÇADA SELEÇÃO”

Eu era novo, apenas 7 anos, as lembranças que tenho do futebol na época são poucas. Minha visão sobre futebol ainda estava em formação e eu acho que nem era santista ainda. Lembro bem que o mundo se encantava com a beleza do futebol brasileiro na Copa de 82, com o passar dos anos fui entendendo o que realmente significava para os brasileiros aquele esquadrão de craques, talvez o último da história do futebol mundial.

Telê Santana, hoje questionado por muitos torcedores por seus fracassos nas copas de 82 e 86, foi um técnico visionário já naquela época. A maioria das equipes jogavam no 4-3-3, com pouquíssimas variações táticas, mas não o Brasil. Telê ousou e montou uma equipe sem um ponta direita de ofício, na frente da sua defesa ele colocou uma linha de 2 jogadores extremamente técnicos, Cerezo e Falcão, no meio campo ofensivo ele tinha Zico e Sócrates, com Éder aberto pela esquerda, um ponta que voltava para compor o meio campo e ajudar seus companheiros, e Serginho Chulapa, que ganhou a posição com a ausência de Careca, contundido, era a referência no ataque. Teoricamente, o fantástico Telê, já naquela época montou sua equipe em um extremamente ofensivo 4-5-1, mas que o que ganhava na frente, perdia defensivamente.

Na preparação para a Copa o Brasil encantou o Mundo, com uma excursão para a Europa, a seleção canarinho deu um show na terra da cintura dura, jogamos contra Inglaterra (0 x 1), França (1 x 3 fora o show) e Alemanha, considerada na época a melhor seleção europeia (2 x 1). Após estes resultados, a seleção que não empolgava tanto antes do treinador assumir, retorna ao seu país como a favorita para a Copa do Mundo e o Tetra nunca esteve tão perto.

Na estreia da Copa do Mundo, o time base da seleção era: Waldir Peres; Júnior, Luisinho, Oscar e Leandro; Cerezo e Falcão; Éder, Zico e Sócrates; Serginho. Esta seleção simplesmente atropelou seus adversários, encantou o mundo e mostrou que o futebol era além de um esporte, um espetáculo, que podia sim obter resultados e dar show, que craques podiam jogar no mesmo time e se adaptar para que possam render em prol do clube e/ou seleção. Dos 11 em campo, o único que não tinha um futebol vistoso era o centroavante Serginho, mas supria sua falta de habilidade com o que o centroavante devia fazer em campo: GOLS.

Na primeira fase, apesar de sairmos perdendo nos primeiros jogos, viramos e mantivemos um futebol vistoso:

Brasil 2 X 1 URSS
Brasil 4 X 1 Escócia
Brasil 4 X 0 Nova Zelândia

Com os resultados da primeira fase, a seleção passou para a segunda fase mais confiante do que nunca, o que talvez tenha sido o erro, pois enfrentaríamos seleções mais fortes.

Na segunda fase, os classificados foram divididos em quatro grupos de 3 seleções, e o 1º colocado de cada grupo se classificaria para as semifinais. A Seleção Brasileira caiu no Grupo 3, com a Argentina e Itália.

Na primeira partida enfrentamos a seleção Argentina, atual campeã mundial, nosso maior rival, talvez para muitos o jogo mais difícil da Copa, pois ali tinha o jovem Maradona, mas os atuais campeões além de ter seu jovem atleta expulso, tomaram um chocolate da seleção brasileira, que não respeitou a o adversário e devolveu os Hermanos de volta para casa com um placar de 3 x 1 na bagagem, agora bastava um empate com a desacreditada Itália.

O Brasil entrou em campo mais favorito do que nunca, tinha a Itália como um freguês em copas do mundo e a sua campanha era absurdamente impecável, não existia um habitante deste planeta que apostasse seu dinheiro suado contra a seleção de Telê Santana, a campanha falava por si. Mas infelizmente, com uma defesa sólida e um centroavante que, até então não havia marcado gols no mundial, a Itália não pensava desta forma. Talvez esta partida tenha sido a melhor e mais importante da carreira do nosso maior carrasco.

Três gols de Paolo Rossi, um deles em uma falha terrível de Toninho Cerezo, uma derrota que calou o mundo, uma derrota que calou o Sarriá, uma derrota que enterrou de vez o futebol arte e tornou burocrático e sem graça na forma de se jogar futebol.

Com a derrota da seleção brasileira de 82, a melhor e mais linda seleção de todos os tempos, morreu o tesão e o amor do futebol.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

2 comentários

  1. Felipe Rocha Dos Reis disse:

    Show de bola hein Fábio Coca… Essa seleção merecia mesmo um mundial!

    [Reply]

  2. AS0505 disse:

    … fiquei muito triste e prometi a mim mesmo esquecer as coisas de seleçao, o que faço até hoje. O time era perfeito – talvez Leao no lugar de Valdir Peres – e era encantador assistir seus jogos.

    Hoje, seleçao pra mim é meu SantosFC…

    Acompanho a Copa, é claro, mas vejo com mais interesse os jogos das outras seleçoes. O resultado final nao me importa…

    [Reply]

Gostou? Não? Comenta aí: