Canelada

Home | « Todos os posts de Caneladas Táticas

Os segredos da prancheta Scolari

por
7/06/14

A escalação da Seleção Brasileira que estreia na copa do mundo 2014 todo munda já sabe de cor. A plataforma inicial também, a tática da moda 4-2-3-1. Acima vemos as escalações de Brasil e Sérvia da forma que estamos acostumados.   O que vamos abordar aqui são as variantes treinadas por Felipão e muito bem executadas pelos seus escolhidos. Ações ofensivas e defensivas.

A imagem acima ilustra a inversão dos três jogadores por trás do centroavante, movimentação importantíssima para confundir a marcação adversária. Muitos clubes adotam a tática da moda no Brasil e na Europa, mas com jogadores plantados em suas posições. Inúmeras vezes veremos Oscar pelos flancos e Neymar flutuando as costas dos volantes adversários. Dificilmente veremos Neymar no lado direito do ataque, posição que o craque fica menos confortável.

Falando em ações defensivas, o time de Scolari marca, como se fala na gíria do futebol, “dentro”. O sistema de marcação do Brasil é sempre avançado, em muitos momentos fazendo pressão no campo do adversário, e só é possível manter essa  postura pela qualidade da nossa zaga. Tiago Silva e David Luiz tem todos os predicados necessários para passar essa confiança ao treinador. São zagueiros rápidos, fortes e bons na jogada aérea.  O risco desse sistema é dar muito campo ao adversário para ser explorado em velocidade, caso consigam se desvencilhar do primeiro assédio feito pelos atacantes e meias .

A informação vem do repórter a beira do campo: “ Felipão pediu para rodar mais a bola na linha de quatro”.  A linha em questão é formada pelos laterais Daniel e Marcelo com Oscar e Paulinho, como pode ser vista na imagem acima. Essa é a forma predileta de Scolari para atacar sistemas defensivos muito compactos e foi muito praticada no primeiro tempo contra a Sérvia. A bola passa de pé em pé esperando a oportunidade de infiltração de Neymar ou Hulk abrindo espaço para que Daniel ou Marcelo possam aproveitar o corredor para avançar.

Essa imagem também mostra bem o motivo do treinador insistir com Oscar no time titular mesmo com William piscando o farol e pedindo passagem. Por características, é difícil imaginar William cumprindo essa função, é um jogador mais agudo, mais vertical, enquanto Oscar tem um poder de organização melhor, pensa mais o jogo e corre menos com a bola. Com a troca de um jogador por outro praticamente se perde essa opção de postura ofensiva.

Não, qualquer semelhança não é mera coincidência. Mude os nomes e você terá a seleção pentacampeã em 2002. Felipão tem suas convicções e elas não são novas.

A torcida brasileira quer show nos 90 minutos, não adianta. O torcedor nunca vai entender que do outro lado tem 11 jogadores de alto rendimento trabalhando para tudo que fizermos dê errado. As vaias sempre vão existir por que nem sempre o jogo vai encaixar. Hoje se fala das vaias de ontem no Morumbi e se esquece de falar da vitória do Brasil em um jogo que se fez difícil.

Todos os movimentos são friamente calculados, estão muito sincronizados e isso nos torna mais fortes. Futebol não é receita de bolo. Acho que não existe a  fórmula do sucesso. Mas se existir estamos mais próximo dela que as outras 31 seleções. Vai ter copa. Vai ter Hexa !!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

3 comentários

  1. Fábio Coca disse:

    Excelente análise, Wiltor, a única coisa que acho é que com Daniel Alves ficamos com o lado direito exposto e o Paulinho fica preso demais cobrindo os avanços do atleta fashion.

    Acho o Maicon mais completo, além de mais rápido – tanto defensiva como ofensivamente – é mais alto e deixa a nossa defesa mais alta, nos deixando menos vulnerável contra o jogo aéreo utilizado geralmente pelas seleções com jogadores mais fortes e de pouca técnica.

    Parabéns e continue assim.

    [Reply]

  2. Witor Ruy disse:

    Maicon talvez fosse realmente melhor opção, o que prejudicou ele é que tirou férias na temporada 2012/2013 pelo Manchester City. Quase não jogou. já na ultima temporada, 2013/2014, jogou muito pela Roma e voltou a seleção. Só que aí o Dani Alves já tinha sido campeão da Copa das Confederações e já estava a muito tempo no grupo.
    Obrigado e um Abraço Coca.

    [Reply]

  3. Raul disse:

    Boa Análise. Pensando no Daniel Alves, mesmo deixando o lado direito mais aberto, acredito que a qualidade técnica dele ajuda muito na hora de manter a calma e sair tocando a bola. O Marcelo, além de ser um craque de bola, tem um poder ofensivo impressionante. Mas eu acredito que, quem irá fazer diferença nos jogos será o Oscar. Mesmo não aparecendo muito, ele tem uma qualidade e uma visão de jogo impressionantes. Parabens. Gostaria de deixar nosso site aqui também, podemos fazer uma parceria.
    http://www.blogcamisa10.com.br

    Equipe Blog Camisa 10

    [Reply]

Gostou? Não? Comenta aí: