Canelada

Home | « Todos os posts do Cruzeiro

Cruzeiro 2017, avaliação de elenco: Parte 2/3

por
24/02/17

Depois de avaliar a linha defensiva celeste, seguimos adiante com turma da meiuca. Essa é a segunda parte da série, que será encerrada amanhã, e serve como ponto de partida para a temporada de análises.

As novidades do futebol que está cada dia mais “europeizado” englobam a dificuldade em escalar um time separando meio campo de ataque. Principalmente os meias ofensivos e os atacantes. Nos primeiros jogos da temporada, vimos claramente um jogador com característica mais aguda, o legítimo ponta – no caso o Alisson – ter mais funções defensivas que o meia centralizado – Arrascaeta – que foi realmente um ponta de lança. Até certo ponto isso me tranquiliza, como torcedor. Mostra uma pré-disposição maior do nosso querido Mano em tentar encaixar o uruguaio no time.

Aqui vai uma breve retrospectiva do segundo semestre de 2016. Bentão, o portuga, chegou ao Cruzeiro e tentou implementar a sua filosofia de trabalho. Noves fora o boicote que sofreu da imprensa mineira, e de alguns putavéia que continuam no elenco, teve péssimo retrospecto em pontos, o que aos poucos foi inviabilizando a continuidade do trabalho. Mas durante aqueles jogos incríveis em que o Cruzeiro finalizava 30 vezes e perdia de dois a um, o uruguaio, que fazia até então boa temporada (2ª dele no Cruzeiro), começou a voar. Arrascaeta fazia chover e acumulou atuações ótimas que transcenderam o tempo do Portuga.

Ali, entre os médios e os centrais, o pá!

Mano chegou, e mesmo com o rapaz em ótima fase, fazia questão de substituí-lo todos os jogos. Até que lá pela 10ª partida do novo comandante, Rafinha, que habitualmente entrava no lugar do gringo, acertou um chute contra o Flamengo em Cariacica. Foi a senha para Mano sonegar ao uruguaio um lugar nos onze. Para sorte do time, alguns jogos depois, o portentoso Rafinha se lesionou em um jogo que precisávamos da vitória. No jogo de volta contra o Corinthians pela Copa do Brasil, Arrasca entrou antes dos 10 minutos do primeiro tempo e participou diretamente dos 4 gols do time. O saldo da aventura de Mano, que escalou o time voluntariamente, sem o seu principal jogador:

Jogos levando poucos gols, mas igualmente fazendo poucos. Destaque para dois empates em oxo com Palmeiras e Chape em sequência. Se os dois pontinhos a mais não fizeram falta na luta pela cota 45, os quatro a menos nos sonegaram a busca pelo 6º posto. Corta para 2017!

Mano não é um completo idiota. Tem lá as suas teimosias, mas o saldo é bastante positivo. O que ele viu quando chegou foi um time com grande dificuldade de encaixe.  Ao mesmo tempo em que o Arrascaeta é um cara extremamente habilidoso e inteligente, é muito pouco físico. Com o time precisando estancar a sangria e pontuar, ele optou por jogadores que cumpriam à risca funções defensivas com mais vigor.

Mano está mais disposto a por o seu time para jogar e fazer gols. Por isso o ano novo chega alvissareiro. Alguns pequenos detalhes nos primeiros jogos me dão essa impressão. Primeiro que o Arrascaeta começou o ano bem. Está mais forte e continua liso. A montagem de elenco do Cruzeiro indica também que o time tem essa condição de propor sempre o jogo e alternar peças e características.

O Arrascaeta e a turma mais avançada vão ficar para amanhã, como me alonguei um pouco aí em cima, vou restringir para hoje o meiocampo defensivo do Cruzeiro. Serão dois volantes para possivelmente jogarem em linha. Mas podem ser perfeitamente três se o Henrique ou Hudson forem recuados para fazerem “o entrelinhas” no 4-1-4-1 e os dois centrais da segunda linha forem volantes. As opções de plantel são:

A montagem estava ótima já antes da chegada do Lucas Silva, que foi um negócio de ocasião. Com a chegada dele a promoção do Lucas Ventura ficou meio sem sentido. O garoto, coitado, não vai jogar. Mesmo o Romero deve estar avaliando buscar novos ares.

Henrique: O decano deverá jogar sempre. Por merecimento, depois de ser o grande jogador do time no segundo semestre, e por respeito aos serviços prestados. Henrique dá estabilidade ao meio e é o coração do time. Só sairá por contusão.

Se o esquema do Mano mudar, o que eu não acredito, e ele privilegiar o jogo pelas alas, com constante avanços dos laterais e as coberturas ficarem à cargo dos volantes, ele  teria dificuldades, já que não é mais nenhum garoto. Mas o jogo de posição do Henrique é excelente.

Lucas Silva: O filho pródigo está de volta. Se depender da torcida, que não morre de amores pelo Cabral, pode ganhar a posição no meio. Lucas tem muita qualidade. Seu futebol quando deixou o Cruzeiro ainda estava em plena evolução. Basta saber, após os anos inglórios do garoto em suas aventuras além-mar, até que ponto ele retrocedeu. Sem jogar é difícil que tenha evoluído, ainda que tenha treinado com os melhores. Sou tomado por um comedido otimismo, que espero que o jovem confirme.

Cabral: Cabral é um cara difícil de decifrar. Ele é pesado, as vezes moleirão. Mas dá velocidade no jogo, faz a bola girar. Tem raça para dividir as bolas e estatura ótima para recuperar a posse em um jogo de posição. É canhoto o que facilita ultrapassagens e cruzamentos em situações que os pontas jogam com o pé de dentro e o volante passa às costas. Enfim, em tese tudo certo com ele. Mas é uma figura de pouquíssima plasticidade manejando a pelota. Se ele continuar acertando as trivelas vai ficando no meio.

Hudson e Romero certamente não contavam para esse ano com a possibilidade de terem de disputar um lugar no banco. São ambos volantes destruidores, necessários ao plantel tanto para situações de jogo quanto para jogos específicos. O Romero jogaria mais avançado que o Hudson, em formações de losango no meio. Ainda podem fazer uma boquinha de substitutos eventuais nas laterais ou pontas de acordo com desenrolar dos jogos. Mas certamente seus agentes devem estar preocupados com o excesso de jogadores no setor que teoricamente estão à frente dos dois.

Como já dito, amanhã a gente encerra essa série de estreia do Blog. Ainda estamos aprendendo as ferramentas e tudo o mais, mas ideia é criar (mais um) espaço bacana para discutir as coisas do time do povo mineiro.

Saudações Celestes.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

2 comentários

  1. Wesley disse:

    Gostei muito. Uma análise muito bem elaborada! O meio de campo teia que ser Lucas Silva e Henrique. O Lucas dá uma alegria e uma leveza ao meio que nos animam muito. Resta avaliar se deve ser jogador de segundo tempo. Mas suas qualidades, principalmente ofensivas, garantem seu espaço no time.

    [Reply]

    Fernandão Canela Reply:

    Acho q vai acabar acontecendo isso. Mas o Mano tem a sua forma de gerir o elenco… Com ele as trocas de jogadores são lentas, um pouco depois do óbvio. Além disso Cabral vem bem.

    [Reply]

Gostou? Não? Comenta aí: