Canelada

Home | « Todos os posts do Palmeiras

[Cap. 4/80] Linense 0x4 Palmeiras – Fazendo as pazes, na hora certa

por
20/02/17

Durou pouco a ira do torcedor palmeirense com o professor. O que um adversário mal armado não faz, não é mesmo? Sem querer desvalorizar a bela exibição da squadra alviverde, a equipe do Linense é aquela que tomou 6 na estreia contra o Santos, que já demonstrou sinais de inesperada fraqueza em pleno Campeonato Paulista, sua especialidade.

De qualquer forma, estava sendo de uma injustiça sem tamanho as críticas a Eduardo Baptista, em pleno 3º jogo da temporada. Com o placar elástico e, mais do que isso, a exibição consistente, parece que agora sim o torcedor palmeirense resolveu dar uma chance ao novo treinador. Para sorte ou azar dele (saberemos na quarta), pouco tempo para curtir a conquista e já temos pela frente o clássico mais importante do mundo.

Um time campeão, entrosado e reforçado, contra um rival capenga, freguês e sem comando. O cenário não poderia ser mais promissor para quem veste verde. Se não fosse Moisés. Se não fosse Tchê Tchê. Desfalques importantes, mas que não devem e não podem preocupar, para um time com tantas opções no elenco.

Moisés foi um dos destaques no último clássico em Itaquera. Desta vez, todos jogarão por ele.

Enquanto Roger Guedes destoa do time e merecidamente perdeu espaço, quase todos que entraram, mostraram serviço. Michel Bastos, Raphael Veiga e Keno são as boas opções que temos no banco e devem ser aproveitados neste momento de desfalques.

Só me preocupa o quanto o Michel tem deixado claro em toda entrevista que dá que não veio para ficar no banco. Quer seu espaço no time. Um jogador não se acomodar com a reserva é sempre bom. Agora, a sede excessiva pela titularidade pode causar problemas, como foi do outro lado do muro. Enfim, não antecipemos problemas. Fica apenas o ponto de atenção.

Para o dérbi de quarta, eu entraria com Prass; Jean, Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Felipe Melo; Keno, Michel Bastos, Raphael Veiga (Guerra) e Dudu; William. Minha maior dúvida é se seria melhor voltar o Guerra ao time titular ou dar sequência ao Veiga, em um jogo tão pegado como o clássico. Talvez a experiência do Guerra possa contar bastante para este tipo de jogo e ele já esteja melhor fisicamente. Fica a cargo do treinador, que está ali no dia a dia, perceber a maturidade do jogador para encarar uma partida como essa.

De qualquer forma, com a escalação que for, a paz de Eduardo depende de uma vitória em Itaquera. E ela virá, como sempre.

Avanti, Eduardo! Avanti, Palestra!
@CaneladaSEP
@jmiguelprestes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Gostou? Não? Comenta aí: