Canelada

Home | « Todos os posts do Palmeiras

Os 10 problemas do líder

por
21/06/16

Que dificuldades o Palmeiras pode esperar para se manter na ponta do Brasileirão? O que a liderança pode efetivamente representar para o Verdão?

O Palmeiras, enfim, assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro. Após vencer no sábado, ligou o secador no domingo e viu o Figueirense derrotar em casa o Internacional. Palmeirenses comemoram, rivais se preocupam e disfarçam tentando tirar uma onda com a demora do Palestra para voltar à ponta. Mas a bem da verdade, liderar na 8ª rodada, não quer dizer muita coisa. Importante é se manter na briga e liderar ao final da 38ª. Claro, não queria que meu time estivesse em outra condição. Só que cabe a nós saber lidar com todos esses problemas do líder.

Vitor Hugo contribuiu com a secadeira e postou em seu Instagram.

Vamos a eles, então:

  1. “O time a ser estudado”: Dos velhos ditados do futebol. Pode parecer papo furado, desculpinha de treinador. Muitas vezes, é mesmo. Mas, algumas vezes, não. Já é natural que a maioria dos times, quando vem jogar contra nós, entrem recuados, fechando a casinha e praticando o anti-jogo. Estando na liderança, então, farão isso com maior inteligência e planejamento. Para nos mantermos no topo, precisamos de variações táticas e jogadas ensaiadas, surpreender os adversários a cada rodada.
  2. Salto alto: Além dos adversários se prepararem de maneira diferente, o próprio Palmeiras pode representar problemas. Desde o ano passado, temos apresentado um desempenho muito superior quando estamos  jogando no desespero do que quando a maré está boa. Só este ano, quantas vezes não abrimos o placar logo de cara e deixamos o adversário empatar, para depois ter que correr atrás da vitória de novo? Precisamos ter cabeça e saber usar vantagem no placar e na classificação a nosso favor.
  3. “Torcedores” organizados: Em poucas rodadas, eles já nos tiraram 1 mando (cabe recurso), na briga provocada contra o Flamengo, e 2 pontos na classificação, contra o Coxa. Ok, aqueles pontos perdidos contra o Coxa não foram SÓ culpa deles, que tiveram a brilhante ideia de acender sinalizadores aos 43 do segundo tempo, quando o jogo se encaminhava para uma vitória nossa fora de casa. O adversário estava andando em campo, bagunçado. Com a pausa, pode se reorganizar, recuperar o fôlego e exercer a Lei do Ex, com um raro bom chute do Leandrowski.
  4. Arbitragem: Já foram tantos erros importantes contra nós, que nossa diretoria, sempre passiva em relação à arbitragem, foi até a sede da CBF prestar um questionamento formal. Nas primeira 9 rodadas, em 3 tivemos erros em lances de gol; em outras 3, tivemos pênaltis não marcados. Não gosto muito de reclamar de arbitragem, porque muitas vezes serve de muleta para justificar uma derrota. Neste caso, não se trata de muleta, já que estamos falando de um time líder, apesar de tudo. Já foram 6 jogos com erros capitais apenas contra nós. Não quero que passem a nos favorecer. Só é “estatisticamente estranho”, quando se espera um equilíbrio entre erros e acertos acidentais.
  5. WTorre x Palmeiras: A briga judicial envolvendo a construtora e o clube pode ter impactos importantes em nossa campanha. Basta lembrar que estamos 100% em casa, com apenas 1 gol sofrido, nos 6 jogos do Cuca como treinador no Allianz. Além da questão financeira e dos jogos já previstos que iremos jogar fora, por questões contratuais, o episódio Independence Day me pareceu uma grande “má vontade” da construtora, querendo prejudicar o clube. Não havia motivo para marcar uma estreia de filme, para 5 mil pessoas, em dia de jogo do Palmeiras em casa. Por que não segunda? Ou sexta?! Diante de ameaças de manifestações por parte da torcida, conseguiram remanejar o dia do jogo. Para o restante do ano, já temos mais umas 7 ou 8 datas que podem ser impactadas por eventos da construtora.
  6. Janela europeia: Um dos problemas do líder que surge por uma boa causa. O bom futebol atrai os olhos de empresários e olheiros. Gabriel Jesus já tem recebido sondagens de grandes clubes europeus. Dudu é outro que não tem sido muito comentado, mas pode despertar interesse. Roger Guedes, Matheus Sales, Vitor Hugo… Jovens jogadores que precisam ser blindados.
  7. Olimpíadas: Além de contribuir com o tópico anterior, as Olimpíadas podem representar perdas de jogadores por várias rodadas. Gabriel Jesus e o zagueiro colombiano Mina, que nem chegou, são nomes quase certos. Até mesmo Fernando Prass passou a ser cotado para ser convocado como um dos jogadores acima da idade olímpica. Seu nome está na pré-lista e seria um desfalque e tanto, como goleiro e como capitão, líder dentro e fora de campo.
  8. Lesões: Já há um bom tempo o palmeirense tem pesadelos com seu Departamento Médico. Este ano, os investimentos feitos no setor já foram até capa da revista oficial do clube, o que não deu muito certo. Pouco depois da matéria, diversas baixas aconteceram no elenco: Arouca, Cleiton Xavier (de novo), Gabriel (de novo), Barrios… Agora, a notícia é que temos a tecnologia mais moderna do mundo, para recuperação física e prevenção de lesões. Talvez por isso, alguns jogadores passem a ser desfalques como precaução, para que não percam mais jogos, em caso de possíveis lesões. Cuca é adepto e o palmeirense precisa se acostumar com um certo rodízio. Como alento, o elenco é qualificado e tem mantido bom nível para suprir desfalques.
  9. Adversários: Hoje, todos falam da disputa contra o Internacional, mas precisamos lembrar que o Grêmio está a apenas 1 ponto de nós, com uma campanha perfeita dentro de casa e resultados expressivos fora (3×0 em cima do Galo, por exemplo). Para mim, é uma ameaça maior que o próprio Colorado. O Galo, outro apontado como favorito, começou muito mal o campeonato, mas dá indícios de recuperação. Que assim não seja. São Paulo, Flamengo e Curintia, apesar dos pesares, também podem crescer até o final do ano, além de contarem com “bons olhos” de CBF e Globo, no caso dos 2 últimos.
  10. Antis? Estar no alto atrai secadores de todos os lados. Principalmente os rivais, que apelam para todo tipo de zica. E isso é problema? Jamais. Aprendemos que time grande atrai olho gordo, desde 1914. Essa história de reclamar dos antis é coisa de quem demorou 80 anos para ganhar algum título expressivo.

É “só” isso, Palestra! Convenhamos, nada que nosso manto não tenha superado ao longo de sua gloriosa história. Medo?! Que nada. Apenas consciência de que o tropeço de um gigante traz muito mais impactos que o de uma galinha ou de uma gazela.

Avanti, Cuca! Avanti, Palestra!
@CaneladaSEP
@jmiguelprestes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Gostou? Não? Comenta aí: