Canelada

Home | « Todos os posts do Portuguesa

Entre apontar culpados e procurar soluções

por
19/08/13

Havia torcedores xingando Corrêa. Havia torcedores xingando Lauro. Havia torcedores xingando o presidente. Havia torcedores que apenas olhavam perplexos para o gramado. Havia aqueles que aplaudiam os jogadores enquanto saíam de campo. E ainda havia outros poucos que gritavam palavras de incentivo. Tudo isso podia ser visto nas arquibancadas do Canindé após o apito final do árbitro na derrota por 3 a 1 para o Botafogo no último domingo (18). O único consenso era a tristeza e o gosto amargo da injustiça. Mas, será que precisamos repetir mais uma vez que futebol e justiça mal cabem na mesma frase? Será que precisamos repetir que futebol não aceita desaforos? E será que precisamos repetir que é com suas inúmeras fragilidades que a Lusa terá de lutar até o fim?

Acredito que todas essas reações da torcida têm razão de ser. Basta que vejamos a partida sob diversos pontos de vista. Se quisermos analisá-la a partir das limitações técnicas e das falhas individuais de alguns atletas, pode-se sim criticar Corrêa pela lentidão, pelos passes errados, pelo péssimo posicionamento e por comprometer a zaga. Pode-se criticar Jean Mota pela falta de malícia no momento em que sofreu o pênalti e não caiu – isso para não falar de suas deficiências técnicas. Pode-se criticar Lauro por voltar a falhar – ou, se preferirem, voltar ao seu normal – depois de uma sequência de boas atuações que foi e ainda é importantíssima para uma recuperação do time. Pode-se criticar outros também, mas esses talvez tenham sido os capitais na partida.

Se quisermos analisar o jogo sob o ponto de vista da fragilidade do elenco decorrente da apatia, incompetência e omissão da diretoria, também encontraremos argumentos. A Portuguesa não tem peças de reposição em qualidade, mas sim em quantidade – quando se recorre à base, claro. A Lusa tem um onze competitivo. E ponto. Se não há jogadores para se fazer três alterações em um jogo, imagine para se escalar um time com meia equipe sem condições de atuar. E, para piorar, imagine fazer alterações durante o jogo nessa equipe que se alinhou em campo como podia. É sim falha da diretoria. Falta de contratações. E de gente que venha para assumir a titularidade.

E por falar em um time que foi escalado com dificuldade pelo enorme número de ausências – seja por imaturidade em cartões, seja por leviandade de arbitragem ou seja por contusões – também é possível analisar o jogo pensando que para uma equipe que apresenta limitações técnicas frente ao adversário, joga-se por uma bola: a bola do jogo. E a ineficiência na finalização, principalmente durante o primeiro tempo, foi crucial para que a Portuguesa deixasse a vitória trocar de mãos no intervalo. Não se pode perder tantos gols contra ninguém, muito menos o líder do campeonato. Ainda mais em nossa situação. Mesmo que eles não estivessem jogando bem.

No entanto, pode-se também traçar uma análise com base no excelente futebol mostrado pela Portuguesa na primeira etapa e em parte da segunda. Guto Ferreira fez milagre. Com o jovem Gustavo estreando na zaga, com Jean Mota tendo de chamar a responsabilidade para si, com Luis Ricardo no ataque, com Arão sendo o xerife do meio-campo e etc, o treinador colocou no gramado uma equipe muito bem postada e disciplinada taticamente. Um time que, na primeira metade, matou o Botafogo na marcação e, com base na velocidade e na troca de passes, impôs-se no jogo. Foi a dona da partida. E teve, ao menos nos 45 minutos iniciais, uma de suas melhores exibições. Foi animador ver o time luso em campo, fazendo frente aos cariocas.

Portanto, percebe-se que todos têm a sua razão. Correa e Jean Mota poderiam não estar no time titular? Poderiam. Lauro poderia não entregar a paçoca? Poderia. Poderíamos ter um lateral-esquerdo de ofício no lugar de Rogério? Poderíamos e teremos. Luis Ricardo poderia ter perna no segundo tempo? Talvez. A zaga poderia ser melhor? Com Valdomiro concentrado e tranquilo, tendo ao seu lado alguém técnico e experiente (por mais que Gustavo tenha ido bem para sua estreia), poderia. Porém, isso tudo passa por dois fatores: (1) uma diretoria que dê para a comissão técnica um elenco numeroso e igualmente qualificado; (2) um clube que tivesse trabalhado o time desde o início da temporada para esta competição, principalmente a parte física. No entanto, como tanto disse Geninho no ano passado, Guto Ferreira tem de trocar os pneus com o carro andando.

Enquanto os reforços não chegam, o time não melhora fisicamente e os desfalques crescem, ele faz o que pode. E se supera. Como se superou. Recorrendo a outro ex-treinador luso: “sem ovos não se faz omelete”. E aqui não se trata de poupar Lauro, Corrêa, Jean Mota e afins. Trata-se apenas de ter noção de nossas limitações, do bom trabalho que o treinador vem fazendo e da superação que o time vem alcançando. É preciso ganhar? Claro! Nossa realidade, infelizmente, é essa. Precisamos de 15 oportunidades para marcarmos um mísero gol. Os outros precisam de uma para matar o jogo. Os culpados são os mesmos. Faz tempo. Mas, será que a Lusa está em um momento em que precisa apontar culpados ou procurar soluções?

E você, torcedor lusitano? O que achou da derrota para o Botafogo? Dê sua opinião! Comente abaixo!

Por Luiz Nascimento

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

8 comentários

  1. BRUNO disse:

    po, fui um dos que ficou perplexo… estava acreditando numa vitória, mas ai aquele segundo gol .. bom que venha o bahea e o atl-mg … e vai luuuuusa que minha fé te empurra (como diria edu elias)

    [Reply]

  2. Jose Carlos Zeka disse:

    que podemos falar pedir aos deuses que nos salve the 2 divisaõ mais ta dificel tenho do deste tecnico naõ sei se vai conseguir vamos aguardar.

    [Reply]

  3. Manuel Poio disse:

    é lamentável a situação the Lusa. parafrazeando o Luiz Ricardo, o time precisa além de jogadores melhores, concentração.

    [Reply]

  4. CidMarcelo Almeida Pinto disse:

    …raramente.eu.acho.que.nao.ha.empenho.dos.jogadores.da.lusa..eles.semprem.dao.o.seu.melhor..o.que.acontece.que.esse.melhor.chega.ser.insuficinete.num.campeonato.seri.A….alem.do..mais.temos.dificuldae.pra.ter.um.time.titular..quanto.mais.termos.elenco….serie.A.so.com.elenco.competitivo..acredito.que.nao.cairemos..mss.e.melancolico..vermos.outrs.torcidas.fazerem.festa.em.nossa.casa..mas.sempre.acreditando..Viva.Lusa

    [Reply]

  5. RICARDO...(JUNDIAÍ-SP) disse:

    Precisamos apoiar e principalmente acreditar…

    [Reply]

  6. Joao Alexandre Alves de Freitas disse:

    eu ainda queria saber se os conselheiros que deram mais um mandato para este cidadão que não entende nada de futebol, nos representa muito mal, gasta muito mal o pouco $$$$ que temos e trabalha contra nós, tem a conciência pesada ??

    [Reply]

  7. Merle Fuller disse:

    “O jogo está nivelado. A gente tem que ter mais posse, fazer a bola rodar e ter mais tranquilidade”, analisou Moisés Moura, zagueiro da Portuguesa. “O jogo começou truncado, mas aí mudamos a formação tática e começamos a chegar mais. Agora é tentar finalizar melhor no segundo tempo para sair daqui com uma vitória”, disse Cassiano, atacante do Criciúma.

    [Reply]

  8. Jennie Merritt disse:

    Desde a pré-temporada o técnico Abel Braga comenta que o jogo contra o Botafogo será o primeiro em que vai colocar força máxima. Por conta do departamento médico, o time não poderá ser 100% titular, já que o zagueiro Gum e o meia Deco estão lesionados e o atacante Fred, poupado.

    [Reply]

Gostou? Não? Comenta aí: